Segunda, 25 de Outubro de 2021
28°

Poucas nuvens

Açailândia - MA

Entretenimento 18 Metros

Fóssil de dinossauro gigante é encontrado em obra de ferrovia no Maranhão

O fóssil de dinossauro gigante foi revelado no município de Davinópolis, cidade localizada na região Tocantina

08/10/2021 às 13h11
Por: Valber Alves Fonte: O Imparcial
Compartilhe:
Foto- Reprodução
Foto- Reprodução

Para quem gosta da trilogia Jurassic Park ou na tradução, Parque dos Dinossauros, o Maranhão chamou a atenção com um achado gigantesco: um réptil de 18 metros. Isso mesmo!

Durante a escavação para a construção de uma ferrovia no município de Davinópolis, cidade localizada na região Tocantina, revelou um fóssil de dinossauro gigante ainda desconhecido para a comunidade científica.

Entre os materiais encontrados estão um fêmur de mais de 1,5 metro de comprimento, demais ossos longos, como uma possível tíbia, pés e mãos, diversas costelas e vértebras.

 

O fóssil é o primeiro dinossauro conhecido para a região e, possivelmente, um importante registro para a história evolutiva do grupo dos saurópodes, que viveram onde hoje é o Brasil há cerca de 130 milhões de anos, no período conhecido como Cretáceo Inferior.

 

Apesar de ainda não ser possível saber qual é a espécie, mas pelo tamanho dos ossos e o tipo deles, é provável que sejam de um titanossauro, grupo de dinossauros pescoçudos que surgiu no final do período Jurássico, há cerca de 163 milhões de anos. Eles viveram até o final do Cretáceo, quando foram extintos com os demais dinossauros não-avianos (há 66 milhões de anos). “Já se sabia pela literatura de alguns registros mais ao norte do estado, mas esse é o primeiro fóssil de vertebrado de grande porte para a localidade, que possui em geral achados de peixes e plantas fósseis”, explica Elver Luiz Mayer, paleontólogo e professor da Unifesspa (Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará), responsável pela preparação e estudo do dino.

Gigante

O tamanho estimado do dinossauro é de até 18 metros de comprimento, cerca de o dobro de outro pescoçudo também encontrado no estado do Maranhão, o Amazonsaurus maranhensis, um dos menores titanossauros descritos até hoje.

 

Mas, diferente do Amazonsaurus, o novo espécime está próximo à região conhecida como Tocantins da Formação Itapecuru, enquanto o primeiro foi encontrado mais ao norte no Estado.

 

Titanossauros brasileiros

Os registros de titanossauros brasileiros foram descritos principalmente para as regiões onde estão as bacias Sanfranciscana, Paraná e Bauru, nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Paraná. Um dos exemplares encontrados com melhor estado de preservação, incluindo um crânio com mandíbulas completo, é o Tapuiasaurus macedoi, achado em rochas próximas ao município de Coração de Jesus, no norte de MG. Foi o primeiro dinossauro saurópode brasileiro a ter uma cabeça também preservada.

O fóssil de Davinópolis não possui nenhum material de crânio ou dentes isolados, pelo menos que tenha sido localizado até agora. “Embora o trabalho de coleta tenha sido exaustivo, há indícios de que há mais material fóssil na área porque o talude é bem extenso, e tem um estrato rochoso de cerca de dez metros para cima”, explica Mayer.

 

O achado

Inicialmente, os funcionários da empresa Brado, responsável pela obra de terraplanagem na região e que encontraram o fóssil, acreditavam se tratar de ossos de preguiças gigantes, animais que viveram há cerca de 11 mil anos e se extinguiram no último período glacial.

 

Por isso, foi então chamada uma equipe de arqueólogos que acompanhavam a obra. Eles entraram em contato com Mayer, cuja especialidade são os mamíferos do Quaternário (período conhecido pela última Era do Gelo). “Mas, quando chegamos, vimos que era algo muito maior e que viveu há mais tempo devido à profundidade em que os ossos foram enterrados”, afirma.

 

Após obtidas as autorizações da Agência Nacional de Mineração para retirada do material para fins didáticos, sem interesse de exploração – fósseis são bens da União e portanto não podem ser explorados ou comercializados-, o material foi levado ao laboratório do Grupo de Estudos em Paleontologia (GePaleo) da Unifesspa, em São Félix do Xingu. Lá ele está sendo preparado por Mayer e sua equipe.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários